[ INÍCIO ]   [ Sobre o Portal ]  [ FAQs ]  [ Registar site ou blog ]  [ Enviar informações ]  [ Loja ]   [ Contactos ]

 
"Temos obrigação de salvar tudo aquilo que ainda é susceptível de ser salvo, para que os nossos netos, embora vivendo num Portugal diferente do nosso, se conservem tão Portugueses como nós e capazes de manter as suas raízes culturais mergulhadas na herança social que o passado nos legou."  (Jorge Dias)
 
 
 
Arquitectura e construções
Artesanato
Cancioneiros Populares
Danças Populares
Festas e Romarias
Grupos de Folclore
Gastronomia e Vinhos
Instrumentos musicais
Jogos Populares
Lendas
Literatura Popular
Medicina Popular
Museus Etnográficos
Música Popular
Provérbios
Religiosidade Popular
Romanceiros
Sabedoria Popular
Superstições e crendices
Trajos
Usos e Costumes
 
Agenda de iniciativas
Bibliografia temática
Ciclos
Feiras
Festivais de Folclore
Glossário
Informações Técnicas
Loja
Permutas
Pessoas
Textos e Opiniões
Turismo
 
SUGESTÕES
Calendário agrícola
Confrarias
Datas comemorativas
Feriados Municipais
História do Calendário
Meses do ano
Províncias de Portugal
 
 

Pub  
   
»» ARTESANATO >> “Artesanato – as marcas de um povo” - Cestaria Pub
Pub Artesanato no distrito de Vila Real  
 


 

Cestaria

O cesteiro e o cesto são figuras habituais em qualquer contexto rural. Em tempos em que os materiais naturais predominavam face aos materiais sintéticos, a arrecadação e o transporte de géneros e artigos realizavam-se utilizando a cestaria.

Trás-os-Montes e Alto Douro apresenta-se-nos como uma província de ruralidade acentuada, onde as lides campestres fazem parte essencial da especificidade do seu povo. E é assim que este povo desenvolve uma veia artística, fundamentada na necessidade premente de dar resposta às exigências do meio e das suas relações de troca.

O processo é simples: depois da escolha do material, em geral castanheiro bravo, procede-se ao corte, põe-se de molho, para o tornar mais maleável e fácil de moldar, e surge o entrelaçar que, juntamente com o engenho do criador, faz nascer o artefacto.

Com alguma tipicidade surge o “cesto vindimo”, característico da Região do Douro, sinónimo, por excelência, da lide do vinho. Num esforço hercúleo, o homem carrega-o às costas, transportando cerca de 50 quilos de uvas, e a natureza compensa-o com um néctar suave e divino, inigualável em qualquer outra parte do mundo.

Faça-se também especial destaque para o “cesto da merenda”, um legado que não se perdeu no tempo. Ainda hoje, eles comportam as refeições, habitualmente consumidas pelos trabalhadores rurais, levadas ritualmente a meio da manhã e ao almoço.  

Fonte: Guia “Artes e Ofícios Tradicionais do distrito de Vila Real” – 1999 – NERVIR

Voltar ao início>>>

   Gosta da página? Partilhe!


Pub

Pub

 

 

Pub

     

        

Se não encontrou nesta página o que procurava, pesquise em todo o Portal do Folclore Português
 



Acompanhe, em primeira mão as actualizações do Portal do Folclore Português:

FOLCLORE DE PORTUGAL - O Portal do Folclore e da Cultura Popular Portuguesa não se responsabiliza pelo conteúdo dos sítios registados
© Copyrigth 2000/2014  - Todos os direitos de cópia reservados - Webmaster